Arquivos Agile Leaders Meeting | Liga Ágil

Como práticas DevOps têm otimizado os procedimentos da Toro Investimentos

Uma das palestras que rolou na última edição do Agile Leaders Meeting contou com Paulo Mariano, da Toro Investimentos, que trouxe em seu painel os ganhos e benefícios após a implantação das práticas DevOps na companhia.

Práticas DevOps - Paulo Mariano

Para abrir a sua palestra, Paulo trouxe aos participantes conceitos sobre o que são e como aplicar as práticas DevOps dentro de uma organização.

Afinal, o conteúdo não seria tão transformador se o público do evento não compreendesse o seu devido valor e como essa prática funcionaria dentro de uma corporação.         

Ao apresentar a metodologia, ele conceituou o termo DevOps como uma descrição de conjunto de práticas que integram equipes. Sejam elas de desenvolvimento de softwares, operações (infraestrutura ou sysadmin) ou de apoio envolvidas (controle de qualidade, por exemplo).

Durante seu discurso, os participantes puderam ter uma noção concisa sobre os pilares da metodologia DevOps, conhecido como CALMS.

Em outras palavras, com esses pilares podemos tratar o relacionamento interpessoal das equipes (Culture), automatizar todos os processos e tudo que for possível (Automations). Podemos também identificar os gargalos que devem ser corrigidos (Lean), mensurar o seu ambiente e gerar feedback (Measurement). Além disso, podemos compartilhar todo conhecimento com a equipe (Sharing).

No decorrer da implantação da cultura DevOps, Paulo conta que muitos gargalos foram identificados. Diversos processos eram executados de forma manual, baixa escalabilidade horizontal e alto acoplamento entre os sistemas. Todos os fluxos de trabalho estavam  indefinidos, o pacote da aplicação era gerado na máquina do desenvolvedor e anexado ao TFS ou e-mail antes de ser homologado.

Os processos implicavam em constantes rollbacks, além de desenvolvedores mais dedicados à resolução de problemas de deploys, ou seja, contratempos que influenciavam negativamente no desempenho da equipe.             

Para colocar em prática esses conceitos, equipes multidisciplinares foram criadas, permitindo maior autonomia. Sendo assim, qualquer colaborador poderia trabalhar nas aplicações. Além disso, também foi criado um fluxo de trabalho padronizado para esses times.

A automatização de alguns processos diários como os deploys não só contribuiu para padronização desse processo, mas também reduziu a taxa de rollback introduzindo qualidade em todo fluxo de desenvolvimento e o crescimento da quantidade de deploys semanais.           

Portanto, através da experiência aplicando as metodologias dentro da Toro investimentos é nítido que a Cultura e o Mindset são essenciais para que a tecnologia traga resultados reais para as empresas.

Você pode assistir a palestras como essa na próxima edição do Agile Leaders Meeting. As inscrições estão abertas, garanta sua vaga!

RH Talent: Como a agilidade contribui em processos organizacionais

Durante a última edição do Agile Leaders Meeting, Roberta Fonseca, diretora de RH Talent da MedGrupo compartilhou com os participantes os benefícios e resultados pós-implantação de metologias ágeis dentro da empresa, alinhados a tarefas administrativas do cotidiano.

RH Talent - Roberta Fonseca


Com 22 anos no mercado educacional e mais de 800 colaboradores em todo território nacional, a MedGrupo tinha um grande desafio: atender não só a expectativa de seu público, mas também auxiliá-los a atingir seu objetivo final , ou seja, alcançar a tão desejada aprovação em processos de residência medicinal.

Ao longo da palestra, Roberta apresentou que é possível unir a rotina comum e burocrática de um departamento administrativo, como o de recursos humanos, à metodologias que otimizam o trabalho da equipe.

Mudar a forma de pensar de todas as equipes foi uma das estratégias utilizadas pela área de RH Talent para conseguir atingir e envolver todos os departamentos.

Pensando na qualificação dos colaboradores, ações que envolviam palestras e melhorias nos modelos de gestão foram executados, onde dores puderam ser compreendidas e os métodos começaram a ser implantados através da construção de backlogs.

No primeiro semestre deste ano, os resultados puderam ser mensurados através de indicadores como a formação de times e seu engajamento em projetos. A melhor compreensão das necessidades dos clientes, a definição dos papéis e outros valores já notados pelos departamentos responsáveis.

Após o término da implantação das metodologias ágeis, Roberta conta que o cycle time e as etapas do processo foram reduzidas. Resultados como um processo mais transparente e maior assertividade da equipe, tanto na aquisição de benefícios, quanto na integração de sistemas de ponto e folha foram notados.

Além disso, ela também reforçou que algumas atitudes devem ser colocadas em prática pelos agentes transformadores. Olhar mais para as pessoas, construir times multidisciplinares, trabalhar de forma colaborativa e pensamentos fora da caixa contribuem diretamente para um ambiente mais adequado para a implantação de metodologias ágeis. Isso independente de um departamento de tecnologia.

Portanto, para que um departamento de RH possa aplicar esse tipo de metodologia, algumas dimensões devem ser compreendidas. O Design da Organização, a Aquisição de Talentos, a Performance, o Desenvolvimento Ágil e o Aprendizado, além do RH Ágil devem caminhar durante o processo de implantação dessas metodologias dentro de uma organização, independente do tamanho ou quantidade de colaboradores que ela possua.

Gostou? A próxima edição do Agile Leaders Meeting está chegando. Faça sua inscrição aqui e garanta a sua vaga!