Liga Ágil | Transformação Ágil

“Celebrar as Falhas”: É uma coisa boa?

“Celebrar as falhas”: é uma coisa boa?

Depende.

A gestão 3.0 de Jurgen Appelo tem um modelo interessante chamado Celebration GRID. Neste modelo identificamos o que realmente vale celebrar: o aprendizado.

O aprendizado só acontece quando experimentamos novas formas de fazer as coisas. Neste caso, o sucesso e as falhas devem ser celebradas.

Se a falha vem de realizar as mesmas práticas de sempre, não aprendemos quase nada novo. É querer resultados diferentes e melhores fazendo as coisas do mesmo jeito – impossível!

Para criar um ambiente que promova a experimentação e aprendizado, o gestor 3.0 deve garantir às pessoas que existe segurança e comprometimento para falhar. Desta forma, o medo de experimentar é melhor direcionado, desmistificando e removendo barreiras que as pessoas criaram e que na realidade muitas vezes nem existem.

Um ambiente seguro para falhar deve ter 3 passos essenciais:

  1. Tentar novas coisas, na expectativa de que algumas falharão;
  2. Fazer com que a falha sobreviva, porque será comum;
  3. Ter certeza de que você sabe quando você falhou.

As organizações lideradas por gestores 3.0 deixam de gerenciar pessoas e controlar tudo o que fazem por gerenciar todo o sistema. Uma equipe de alto desempenho usa o Pensamento Sistêmico (Systems Thinking) para entender o panorama geral e otimizar todo o sistema, em vez de apenas componentes individuais. Esse mindset naturalmente cria um ambiente em que experimentar e falhar é encarado como processo de aprendizado e melhoria.

Sim! Vamos celebrar as falhas. Mas aquelas que foram geradas por experimentação e não falhas geradas pelos mesmos processos e modelos.

Gostou da matéria? Quer aprender mais sobre agilidade? Veja a nossa agenda de treinamentos!